Paim comemora aprovação do projeto que regulamenta o Simples Nacional

senado-federal

postado por: , em 26/07/2016

Fique por dentro de todas as notícias que envolvem o Simples Nacional! Aqui no Blog do TagPlus!

Novo projeto Simples

O senador Paulo Paim (PT-RS) comemorou a aprovação do substitutivo da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) ao projeto que atualiza os limites de enquadramento das empresas ao Simples Nacional.

Assim, o teto de faturamento das empresas de pequeno porte passará, segundo o projeto, de R$ 3,6 milhões para R% 4 milhões. Já para os microempreendedores individuais, o teto do faturamento saltará de R$ 60 mil para R$ 72 mil ao ano, explicou o senador.

– As novas regras serão fundamentais para o não fechamento de inúmeras empresas, principalmente as micro e pequenas, para geração de novos empregos e, consequentemente, para a melhoria da renda dos trabalhadores – disse o senador.

Paulo Paim disse que, antes que o projeto volte à análise da Câmara dos Deputados, os senadores analisarão ainda alguns destaques e votarão a matéria em turno suplementar, nesta quarta-feira (22).

O senador também defendeu projeto de sua autoria que enquadra como beneficiária do Simples Nacional a atividade de representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços.

Paulo Paim ainda registrou os debates promovidos pela Frente Ampla Brasil, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. Os participantes discutiram a incorporação da previdência social ao Ministério da Fazenda, a reforma previdenciária, a prevalência das negociações trabalhistas sobre as leis do trabalho e outros assuntos de interesse dos trabalhadores e aposentados. O senador informou que os debates da Frente Ampla Brasil ocorrerão em todo o país.



Como tem sido conviver com tantas alterações legislativas? Tem se adequado às regras? Comente a seguir e aproveite para tirar suas dúvidas!

E confie sempre no TagPlus, o melhor e maior sistema de Gestão Comercial, também para a micro e pequena empresa. Clique aqui e teste grátis por 15 dias.


Fonte: Ag.Senado